Ondas de Choque para Disfunção Masculina e Curvatura de Peyronie. Recuperação Sem Injeções, Sem Cirurgia.

Ondas de Choque para Disfunção Masculina e Curvatura de Peyronie. Recuperação Sem Injeções, Sem Cirurgia.

O tratamento com Ondas de Choque para tratamento da Disfunção Masculina e Doença de Peyronie, já era realizado de maneira adaptada no Brasil há alguns anos e por conta dessa adaptação, com realização em grandes máquinas em ambiente Hospitalar e com alto custo, o tratamento não se popularizou.

 

O tratamento com Ondas de Choque, contudo, vem sendo estudado há mais de 30 anos e já é utilizado como opção de tratamento em inúmeros serviços especializados ao redor do mundo.

 

Dois fatores, felizmente, tornaram essa terapia extremamente interessante neste momento: estudo de metanálise recente, comparando os trabalhos  randomizados de maior qualidade da literatura científica mundial, comprovou a eficácia do tratamento (estudos no final do texto). Além disso, o aparelho apropriado para o tratamento foi aprovado pela Anvisa para uso no Brasil em maio de 2017.

 

Desta forma, o tratamento adequado e com o aparelho também adequado que é utilizado em mais de 20 países, estão disponíveis para uso dos urologistas no Brasil.

 

“A imensa vantagem da aplicação das ondas de choque em protocolo padronizado internacionalmente é a possibilidade de RECUPERAÇÃO da ereções em paciente com Disfunção Erétil grave, além do tratamento da Doença de Peyronie na sua fase inicial (com dor) sem uso de cirurgias ou injeções.”

 

 

Como é o aparelho? (vídeo da Indústria)

 

 

 

O que é a Disfunção Erétil?

 

Consideramos disfunção erétil (do ponto de vista médico), quando falhas acontecem em pelo menos 50% das tentativas, ou seja, ereções não suficientes para a penetração. É claro que esse número é bastante arbitrário, pois o que realmente deve ser considerado é satisfação global do casal com suas relações sexuais.

 

Alguns dos principais sintomas da impotência sexual incluem:

 

Dificuldade para conseguir ou para manter uma ereção;

Ereção menos rígida;

Redução do tamanho do órgão sexual;

Mais tempo para atingir a ereção;

Dificuldade em manter contato íntimo em algumas posições sexuais;

Maior esforço e concentração para manter a ereção;

Diminuição dos pelos no corpo;

Diminuição do número de ereções espontâneas ao acordar;

Ejaculação mais rápida que o habitual;

Alterações ou deformação no órgão genital;

 

 

Como o tratamento por Ondas de Choque Funciona?

 

É um tratamento indolor realizado sem a necessidade de internação, ou de aplicação de injeções, que procura estimular a produção de novos vasos sanguíneos que passarão a auxiliar as ereções.

 

Em 5 ou 6 sessões com duração de 20 minutos cada, as ondas de choque aplicadas estimulam o tecido pélvico e peniano para melhora da função endotelial com angiogênese e neovascularização.

 

O tratamento com as Ondas de Choque proporciona resposta duradoura em 70% dos pacientes em comparação às injeções (25%) e aos comprimidos para o tratamento da Disfunção Erétil

 

Ao londo do tratamento , este crescimento pode se distinguido ( e ser compartilhado com o paciente) na imagem sonográfica do tecido peniano pélvico e do pênis.

 

 

Um terço dos pacientes, contudo, pode não responder ao tratamento.

 

 

 

Como é o procedimento na prática?

 

As aplicações são realizadas de forma indolor com o paciente deitado e sem necessidade de qualquer tipo de anestesia ou sedação.

O aparelho é direcionado pelo médico para ação em 5 pontos determinados.

Cada sessão leva cerca de 20 minutos e não é necessário qualquer preparo especial. Não é necessário jejum.

 

 

O procedimento é realizado uma ou duas vezes por semana até o total de 6 aplicações.

Após cada aplicação o paciente pode retornar as suas atividades regulares sem qualquer restrição especial.

 

 

Para quem Não é Indicado o Tratamento com Ondas de Choque?

 

O tratamento não é indicado para pacientes com disfunção erétil de origem não vascular e para pacientes com Doença de Peyronie sem dor.

 

Pacientes impotentes por doenças neurológicas, por lesões penianas tumorais ou quaisquer outras causas não vasculares não apresentam benefícios.

 

Pacientes anticoagulados ou com doenças que afetem a coagulação sanguínea ou problemas que impeçam o contado direto do aparelho com a pele do local a ser tratados também não devem realizar a terapia por ondas de choque.

 

 

Onde podemos encontrar o tratamento fora do Brasil?

 

O tratamento pode ser encontrado nos países Europeus e também nas Américas, além da Índia e países mais ao orientais.

 

Nos Estados Unidos há inúmeros centros que podem ser encontrados acessando-se esse LINK, conforme a figura abaixo:

 

Centros que realizam tratamento da Disfunção Erétil com Ondas de Choque nos EUA.

 

 

Quais as outras opções de Tratamento?

 

Tratamento Medicamentoso da Doença de Peyronie e Disfunção Masculina

 

Terapia de reposição com hormônios em gel, adesivos ou injeções que aumentam os níveis de testosterona.

 

Exercícios Físicos ajudam a melhor a condição física geral e comprovadamente colaboram para a recuperação das ereções, isso comprovado em estudos com pacientes em disfunção erétil e diabetes.

 

Uso de aparelhos de vácuo que favorecem a ereção e são especialmente aconselhados para homens que não podem fazer o tratamento com remédios;

 

Cirurgia para implantação de próteses penianas que são usadas apenas em último recurso apenas quando todos os restantes tratamentos não tiveram sucesso.

 

Além disso, o aconselhamento com um psicólogo ou psiquiatra e a terapia de casal  também são importantes em determinadas situações, pois ajudam a curar medos e inseguranças que possam atrapalhar o relacionamento íntimo.

 

 

Alguns Estudos científicos

 

A partir dos estudos abaixo é possível acessar inúmeros outros:

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

Leia Mais

 

Como escolher a prótese peniana? Tudo o que é preciso saber aqui.

Doença de Peyronie. O que é e Porque Aparece.

DOENÇA DE PEYRONIE E A DISFUNÇÃO ERÉTIL ESTÃO ASSOCIADAS?

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *