SERÁ QUE TENHO CURVATURA DE PEYRONIE? EM QUE ESTÁGIO ME ENCONTRO?

SERÁ QUE TENHO CURVATURA DE PEYRONIE? EM QUE ESTÁGIO ME ENCONTRO?

 

Com o avanço constante dos estudos realizados por médicos e cientistas, cada vez mais é possível detectar e tratar inúmeras doenças, por mais específicas que elas sejam, tanto em mulheres quanto em homens. Dentre as centenas de doenças que acometem os homens e que podem prejudicar sua vida pessoal, profissional e social, podemos destacar a doença de Peyronie pela avalanche de problemas que pode ocasionar na vida de homens e casais.

 

A doença de Peyronie nada mais é do que uma fibrose localizada no pênis de alguns homens que podem gerar diversos problemas, tais como curvatura, afinamento, redução do tamanho e afinamento pênis. Essas deformidades que ocorrem no órgão masculino podem estar associadas à problemas sérios, como a disfunção erétil – basicamente a dificuldade de ter ou manter a ereção durante a relação sexual  –  e questões de ordem psicológica a depender de diversos fatores como por exemplo a fase e o grau de acometimento da doença de Peyronie.

 

A doença de Peyronie ocorre devido a formação de cicatrizes no tecido que forma os corpos cavernosos do pênis, essa estrutura é responsável por conter o sangue durante a fase de ereção e possibilitar a penetração peniana.

 

 

Em qual a fase da vida que a doença de Peyronie aparece?

 

Pesquisas apontam que a doença de Peyronie acontece com mais frequência em homens entre 50 e 70 anos de idade, entretanto há registros médicos de homens mais jovens que desenvolveram a doença, dessa forma, é possível afirmar que os homens mais jovens não estão imunes ao desenvolvimento da doença de Peyronie.

 

Ainda não foi realizado um estudo que aponte a incidência exata do número que homens que desenvolveram a doença de Peyronie, mas a estimativa é que aproximadamente 10% dos homens com mais de 40 anos de idade, podem ou poderão desenvolver as cicatrizes fibrosas, e consequentemente a fibroses em seus pênis.

 

Entretanto, é importante salientar que nem todas as cicatrizes fibrosas no pênis são causadas pela doença de Peyronie, por isso é  importante fazer uma visita ao urologista para a realização de um diagnóstico mais preciso, descartando ou confirmando essa doença.

 

 

Quais os principais sintomas da doença de Peyronie?

 

 

Assim como outras tantas doenças existentes, a doença de Peyronie tem seus principais sintomas que facilitam a busca de um diagnóstico médico preciso sem a necessidade de exames complexos. Dentre os sintomas os 8 principais são:

 

A formação de tecido fibroso gerando uma cicatriz – essa cicatriz também é conhecida como placa e normalmente pode ser sentida por meio de palpação sobre a região afetada. Em grande parte dos casos, essas placas são formadas na região superior do pênis, mas há muitas exceções, ou seja, essas lesões podem acontecer nas regiões inferiores ou laterais do pênis.

 

Redução da qualidade de ereção – um outro sintoma provocado pela doença de Peyronie, é a disfunção erétil. Com o desenvolvimento da doença, esse quadro clínico pode ser agravado, caso os devidos cuidados não sejam tomados.

 

Dor durante a ereção – a doença de Peyronie tem duas fases (veja mais sobre isso a seguir), e na fase inicial ou AGUDA, no qual ocorre o processo inflamatório, o homem com essa doença poderá sentir dor durante a ereção.

 

Dificuldade ou impossibilidade de manter relações sexuais – conforme a doença de Peyronie vai se desenvolvendo e provocando mais deformidades no pênis, o homem pode ficar impossibilitado de ter relações sexuais.

 

Formação de curvatura peniana – devido a formação da cicatriz fibrosa no pênis, a membrana do órgão passa a perder sua elasticidade natural, e com isso, ocorre a curvatura do pênis.

 

Afinamento do pênis – um outro sintoma bastante comum na doença de Peyronie, é o afinamento do pênis, provocado pela constrição da túnica albúginea.

 

Acinturamento do pênis – com o desenvolvimento da doença de Peyronie, a cicatriz fibrosa pode se formar ao redor do pênis, levando ao afinamento de toda a circunferência do órgão.

 

Redução do tamanho do pênis – com o desenvolvimento da doença de Peyronie, e caso o paciente não faça o tratamento correto, o tecido que forma a cicatriz fibrosa no pênis pode causar o encolhimento ou encurtamento do pênis.

 

 

 

Quais os estágios da doença de Peyronie? Qual o melhor tratamento?

 

 

A doença de Peyronie possui dois estágios principais, que são a fase inflamatória e a fase de cicatrização ou fibrosa, no qual serão descritas mais detalhadamente abaixo:

 

Durante a fase inflamatória ocorre a curvatura progressiva do pênis, sendo que esse processo pode estar ou não relacionado com as dores durante a ereção, além da formação de placas ou nódulos abaixo da pele no qual está localizada a região lesionada. Há casos ainda que esses nódulos são palpáveis, facilitando o diagnóstico no início da doença.

 

A fase inflamatória tende a ser chamada de fase AGUDA, isso porque com o uso de tratamento com medicamentos, tais como anti-inflamatóriosanalgésicosmedicações para estabilização da patologia e seguindo as orientações de cuidados gerais, pode ocorrer controle da dor e melhora espontânea em alguns casos.

 

Nessa fase a realização de Litotripsia pode ser especialmente relevante, pois em muitos casos é possível controlar a dor gerada pela placa e estabilizar seu crescimento, o que consequentemente reduz a gravidade das curvaturas.

 

Já na fase CRÔNICA, ocorre a formação da cicatriz fibrosa peniana (cicatriz no pênis), e possivelmente a deformidade no órgão já estará presente e estável.

 

Quando o paciente entra nesse estágio da doença de Peyronie, tradicionalmente, o recomendado é a realização de cirurgia para a reconstrução geométrica dos corpos cavernosos e recuperação do tamanho e espessura. Esse tipo de tratamento é recomendado apenas nos casos em que a deformidade já está estabilizada, não melhora e nem piora e não mais se resolve com tratamentos clínicos ou físicos (litotripsia)

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *