Guia Completo sobre o Câncer de Próstata Recém Diagnosticado

Guia Completo sobre o Câncer de Próstata Recém Diagnosticado

A suspeita ou o diagnóstico de câncer de próstata é, quando visto de qualquer ângulo, um evento extremamente estressante aos pacientes e seus familiares. O stress tente a piorar quando ocorre a exposição a um número crescente de artigos, opiniões e  conceitos à disposição para consulta na internet.

 

Nesse sentido, deixo como 1ª mensagem: qualquer forma de tratamento deve esperar ao menos 20 dias a contar da data da Biópsia.

 

Preparei esse material para que pessoas acometidas pelo câncer de próstata tenham uma visão geral sobre sua condição e possam consumir informação escrita com autoridade para buscarem o melhor tratamento.

 

Com esse texto, você se tornará um expert sobre o assunto!

 

Boa Leitura!

 

Guia Completo sobre o Câncer de Próstata Recém Diagnosticado

 

Câncer de Próstata é chamado de Adenocarcinoma em cerca de 99% dos casos. Nesse tipo de doença as lesões são assintomáticas nas fases precoces, com sintomas surgindo apenas quando já ocorreu disseminação local ou à distância de células malignas.

 

É uma neoplasia que atinge cerca de 1 a cada 6 homens após os 50 anos e que possui forte componente genético ou familiar. Quanto mais familiares com câncer prostático maior a possibilidade de um indivíduo na mesma família desenvolvê-lo.

 

Quais os sintomas do câncer de próstata? Eles não existem nas fases precoces?

 

Os sintomas do câncer não surgem nas fases iniciais, quando ele ainda é curável. Assim, os sintomas referem-se as fases avançadas da neoplasia e  incluem os problemas de obstrução do fluxo urinário (como jato fraco, retenção urinaria, dificuldade para iniciar a micção); dor óssea e fraturas patológicas, além de alguns quadros menos comuns como trombose de vasos.

 

O toque retal é bastante útil para o diagnóstico e deve sempre estar associado a avaliação do PSA. A constatação da presença de crescimento prostático benigno (HPB ou Aumento Prostático), não exclui a presença de tumor prostático, já que 10 – 30% dos homens podem apresentar uma neoplasia oculta.
A realização regular desses exames, contudo, é a melhor garantia de diagnóstico oportuno dos tumores prostáticos, já que não existem sinais de alarme na fase em que o tumor ainda é curável, a fase precoce ou inicial.

 

Como é feito o Diagnóstico?

 

A suspeita do diagnóstico é levantada pelo exame de PSA aumentado ou pelo exame de toque da próstata com a nódulos ou áreas endurecidas.

 

Em linhas gerais consideramos como valor máximo de PSA=2,5. Esse limite pode variar bastante se considerarmos os extremos de idade e os fatores genéticos envolvidos no desenvolvimento do câncer de próstata, mas deve ser o guia para uma suspeita consistente do tumor na maioria dos pacientes.

 

Com a suspeita levantada pelo PSA e/ou pelo Exame da Próstata, o paciente deve ser submetido à Biópsia da Próstata, sob sedação. Esse procedimento é realizado sem a necessidade de internação, com o paciente sedado, retirando-se de pelo menos 12 fragmentos de tecido prostático. Cada fragmento é encaminhado para um patologista experiente que através do microscópio poderá dizer se as amostras apresentam características de neoplasia maligna.

 

Caso o diagnóstico seja de tumor,  ele deverá ser classificado com uma nota que varia de 6 a 10, chamada Escore de Gleason.

Tumores Gleason 6 são os menos agressivos. Tumores Gleason 7, tem agressividade intermediária e tumores com nota 8,9 e 10, são considerados agressivos.

 

 

tratamento do cancer de prostata

 

A grande novidade em relação ao diagnóstico é a possibilidade de realização de Ressonâncias Nucleares Magnéticas Multimparamétricas. Com intuito específico de procurarmos áreas suspeitas na próstata, esse exame consegue evitar biópsias desnecessárias e programar o  tratamento com maior precisão

 

A outra novidade, que alguns cientistas chamam de monumental, é PET com PSMA, com esse exame pacientes que possuem tumores de alto risco tem seus linfonodos investigados com precisão e devem ser submetidos resseção extensa dos mesmos durante uma cirurgia para melhores resultados.

 

No caso de pacientes que já trataram o tumor e apresentam nova elevação, o PET com PSMA pode resgatar número significativo de pacientes para cura caso linfonodos sejam encontrados no abdome sem outras alterações. Até a pouco tempo a conduta era somente manter o tratamento com hormônios…que não curam, apenas controlam a doença.

 

Principais Causas

 

As causas do Câncer de Próstata não são totalmente esclarecidas, de forma que não há conhecimento consistente sobre a biologia de seu  surgimento.

 

O que se constata com segurança é que o passar dos anos predispõe ao seu surgimento, tornando-o pouco comum em homens com menos de 50 anos, mas atingindo um pico de diagnóstico aos 72 anos.

Sabemos também que a incidência do tumor é baixa em asiáticos (que nascerem e que vivem na Ásia).

 

A genética, por sua vez, tem um papel muito relevante no surgimento dos cânceres de próstata. Aproximadamente 9% de todos os casos e 40% dos casos de câncer de homens muito jovens tem origem familiar ou hereditária.

 

Na prática funciona assim:

 

1 Familiar com câncer = 2 a 3 vezes de aumento no risco

2 Familiares com câncer = 4 vezes de aumento no risco

 

Algo novo que pode trazer algum impacto prático é uma possível ligação entre o câncer de próstata e os genes que causam o câncer de mama (BRCA1 e BRCA2).

 

Pode ser recomendado, no futuro, o estudo desses genes em homens com histórico de câncer de mama na família, pois suspeita-se que essa herança familiar aumente em 5 vezes o câncer de próstata nos homens.

 

Tratamento. O que devo fazer?

 

O tratamento do câncer de próstata depende de uma avaliação completa que determine a mais provável localização do tumor. Muitos pacientes precisarão realizar cintilografia óssea, ressonância nuclear magnética de abdome e pelve, além de um cuidadoso exame físico.

 

Quando confirmamos a localização restrita à próstata, podemos oferecer tratamento curativo realizando-se sua extração cirúrgica ou a radioterapia (o que também inclui a indicação de braquiterapia – uma modalidade de radioterapia).

 

Os tratamentos realizados com injeções ou comprimidos de hormônios não tem intuito curativo quando utilizados isoladamente, não sendo indicados para pacientes com doença localizada na próstata.

 

Em linha gerais, a cirurgia é um tratamento que cura globalmente mais do que a radioterapia, mas traz o inconveniente de ser necessária internação com anestesia e trazer risco maior de diminuição da potencia sexual. A radioterapia, a despeito de curar um pouco menos, é mais confortável para o paciente e tem efeito menor na parte sexual.

 

Em algumas situações podemos classificar o câncer de próstata como uma modalidade de baixo risco chamada de Tumor Insignificante. Esses pacientes têm grandes chances de não sofrerem qualquer efeito da neoplasia e, por isso, podem ser cuidadosamente acompanhados (chamamos essa conduta de Watchful Waiting ou WW)

 

Atualmente ainda podemos contar com tratamentos como a crioablação prostática e uma promessa de tratamento totalmente não invasivo chamada HiFU, que ainda não é eficiente, mas poderá se impor nos próximos 10 anos.

 

A maior novidade em relação ao tratamento é a cirurgia robótica, que chegou com grande divulgação no Brasil e possibilitou a evolução do tratamento cirúrgico por laparoscopia e tem mostrado excelentes resultados, comparáveis ou superiores aos da cirurgia clássica: alta muito precoce, retirada de sonda mais cedo, retorno da continência urinária surpreendentemente precoce e retorno às atividades do dia a dia muito cedo.

 

Clique abaixo para assistir um vídeo de Prostatectomia Robótica que selecionei para você:

 

Tratamentos Alternativos, eles Existem?

 

No caso do câncer de próstata, para a cura do tumor, é necessário extraí-lo, ou destrui-lo com, irradiação, calor ou resfriamento. Em casos especiais, como vimos, não é errado apenas seguir os pacientes de forma cuidadosa.

 

Não há, contudo, um tratamento alternativo para a cura do câncer de próstata.

 

Como fazer a Prevenção? Fiz algo errado?

 

Existem algumas evidências de que a modificação na dieta pode contribuir para a prevenção do câncer de próstata. As principais medidas incluem reduzir ao máximo a ingestão de ácido alfa-linoleico, que está presente na carne vermelha e na manteiga. Por outro lado deve-se procurar elevar a ingestão de isoflavonas e genisteina, presentes na soja. Não fumar, manter o stress controlado e não engordar, também podem ajudar.

 

Não há evidências de que o selênio e a vitamina E ajudem a prevenir o câncer de próstata, conforme mostrado em estudo publicado em 2010 com 32 mil voluntários.

 

A Finasterida é uma droga que pode diminuir o tamanho da próstata e que parece proteger-nos contra o desenvolvimento dos tumores. Contudo ela diminui a Libido e, surpreendentemente, suspeita-se que possa despertar tumores agressivos.

 

Em resumo, nós não sabemos como preveni-lo de forma eficiente e portanto não somos culpados pelo seu surgimento.

 

Quais meus próximos passos?

 

Após a Biópsia da Próstata, todos os pacientes devem aguardar 20 a dias antes de realizar qualquer forma de tratamento. Nessa fase a próstata estará muito inflamada, com suas margens sem uma definição clara e até mesmo friável.

 

Assim, durante esse período de espera obrigatório, você deverá buscar um médico urologista que solicite uma revisão cuidadosa de suas lâminas da biópsia, que faça uma estratificação personalizada de risco e que se comprometa a estar ao seu lado independente escolha que decida tomar.

 

 


 

Leia Mais

O que você não sabia, mas precisa saber sobre o Câncer de próstata

Tratar Impotência após Prostatectomia Radical: Reabilitação Peniana

Biópsia de próstata. Por que fazer, como é realizada e seu resultado

O que é a próstata?  Qual o seu tamanho, função e problemas do crescimento

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *