Embolização da Próstata. O tratamento sem cortes e sem internação para a HPB.

Embolização da Próstata. O tratamento sem cortes e sem internação para a HPB.

O CFM (Conselho Federal de Medicina) aprovou recentemente um novo procedimento que pode revolucionar o tratamento do crescimento benigno da próstata (HPB) sintomático, a embolização prostática.

Apensar de existir no Brasil há pouco mais de 6 anos, alguns países como Inglaterra e  Portugal  já o oferecem como mais uma possibilidade de tratamento da HPB.

Há muitas vantagens, a começar pela necessidade de apenas anestesia local, passando pela saída do hospital horas após o procedimento, não necessidade de sondagem e o pouco efeito na ejaculação, que em geral se mantém após o procedimento.

É claro que nem todos os pacientes tem indicação para a realização do procedimento, de forma de vale a pena entender como ele é realizado em detalhes.

 

 

O que é a embolização das artérias prostáticas?

 

É uma forma minimamente invasiva de tratamento da hiperplasia prostática sintomática, na qual se bloqueiam as artérias que alimentam a glândula, fazendo-a encolher.

A embolização é realizada por um radiologista intervencionista, orientado por um urologista responsável pela condução do caso e pela indicação formal do procedimento, que caracteriza-se como uma alternativa à ressecção transuretral da próstata que demanda internação, anestesia geral  e  surgimento de ejaculação retrógrada.

A Embolização das Artérias Prostáticas foi realizada pela primeira vez em 2009 e desde então, mais de 300 homens tiveram o procedimento realizado apenas no Brasil.

 

 

Por que eu poderia precisar de embolização das artérias prostáticas?

 

Pacientes com sintomas urinários obstrutivos ou irritativos (jato fraco, retenção, acordar muitas vezes a noite para urinar) podem ter muita dificuldade de controle apenas com uso de medicamentos.

Nesse momento alguma forma de tratamento pode ser indicado e dentre as opções a embolização pode ser considerada por sua mínima invasão e  bons resultado,  sobretudo para próstatas grandes e quando se deseja preservar a ejaculação.

 

 

Quem toma a decisão?

 

O urologista responsável pelo seu caso deve discutir as opções de tratamento e decidir em conjunto com o paciente. Após a decisão pela Embolização, o urologista solicitará avaliação do radiologista  vascular intervencionista para a realização do procedimento em conjunto.

Vale lembrar que existem as alternativas de Vaporização com Laser Verde, Ressecções Bipolares e até mesmo as cirurgias aberas e robóticas para o mesmo problema.

 

 

Como devo me preparar para embolização das artérias de próstata?

 

Será solicitado jejum de 4 horas para o procedimento e você será admitido no hospital. A embolização pode ser feita com liberação no mesmo dia, mas se você estiver viajando poderá permanecer até o dia seguinte.

Como o procedimento é realizado utilizando uma artéria na virilha, poderá ser necessário retirar os pelos da pele em torno desta área.

Se você tiver algum tipo de alergia , deve informar o seu médico. Se você já apresentou reação ao meio de contraste intravenoso, você também deve informar o seu médico.

Cateterismo prévio pode dificultar o acesso à artéria.

 

O que realmente acontece durante a embolização das artérias da próstata?

 

Você vai estará deitado em uma mesa de raios -X e será infundido soro fisiológico por uma veia puncionada em seu braço para hidratação.

Haverá um dispositivo de monitoração conectado ao seu tórax e dedo.  Pode ser oferecido oxigênio através  de uma máscara em sua face.

Como o procedimento pode levar até 3 horas, pode ser necessário urinar em recipiente durante a embolização.

O médico responsável pelo procedimento irá manter tudo estéril e a pele perto do ponto de inserção, provavelmente a virilha, será limpo com anti-séptico hospitalar.

Em seguida, a pele sobre a artéria na virilha será anestesiada e um tubo metálico será inserido nessa artéria. Através dele seguirá  um fio-guia muito delicado que permitirá a entrada de um tubo plástico, chamado cateter.

O médico, então,  utilizará o equipamento de raios- X para ter certeza de que o cateter e o fio estão no local correto das artérias prostáticas. Um corante de raios-X especial, chamado de meio de contraste é injetado pelo do cateter até essas artérias, o que pode lhe causar uma sensação de calor na região pélvica.

Uma vez que o exato fornecimento de sangue da próstata tenha sido identificado (veja a figura acima), um fluído contendo milhares de pequenas partículas é injetado no interior dessas pequenas artérias, bloqueando-as por completo.

O mesmo processo é realizado para a outra artéria prostática utilizando-se a mesa punção da virilha

 

 

Será que vai doer?

Quando o anestésico local é injetado há uma sensação de ardor, mas que passa em segundos. Após isso, todo procedimento é muito bem tolerado e não necessita de analgesia complementar.

Como o corante ou meio de contraste, passa em por seu corpo , você pode ter uma sensação de calor, o que algumas pessoas podem achar um pouco desagradável. No entanto, isso também desaparece rapidamente e não deve preocupar.

 

 

Quanto tempo vai demorar?

 

A situação de cada paciente é distinta, mas podemos afirmar que poderá levar até 3 horas, ou menos. 

 

 

O que acontece depois?

 

Você será levado de volta para a área de recuperação para observações de rotina e haverá atenção para o ponto de entrada do cateter na pele, para nos certificamos de que não há sangramento.

Uma vez que qualquer dor esteja controlada, você será transferido para seu quarto, de onde receberá alta após um repouso padronizado de 6 horas. 

Quando estiver em casa , você deverá evitar exercícios físicos por três ou quatro dias, e deverá tomar alguns analgésicos e medicamentos que diminuirão a irritação vesical que poderá ocorrer.

Recomenda-se aguardar 15 dias para retomar atividade sexual

 

 

Existem riscos ou complicações?

 

A Embolização das Artérias da Prostáticas é um novo procedimento para tratamento dos sintomas do crescimento benigno da próstata, mas é realizado ha décadas por outros motivos e por isso, além de dados já publicados, é considerado seguro em sua essência.

No local em que a agulha foi inserida, podem se formar hematomas, às vezes tratados com repouso e raramente com antibióticos.

A maioria dos pacientes sente um pouco de dor nos dias seguintes, tratada com eficiência com analgésicos simples

Alguns pacientes podem sentir cansaço até uma semana após o procedimento, mas a maioria sente-se bem o suficiente para voltar a trabalhar em três dias.

 

 

Quais são os resultados da embolização?

 

Há dois estudos de médio prazo com respeito aos resultados da embolização da artéria prostática. Mais de 70% dos homens vão apresentar melhora dos sintomas após embolização, com redução no volume da próstata e aumento no fluxo urinário.

Dificuldades em se encontrar as artérias corretas ou próstatas nos extremos de tamanho (ou muito pequenas ou muito grandes),  podem levar a falhas técnicas em cerca de 2% dos casos.

Em caso de falha, a tradicional cirurgia aberta, Laser ou RTU bipolar podem ser realizadas prejuízo.

A Embolização é um procedimento seguro, projetado para melhorar a sua condição médica e evitar uma operação maior em pacientes sofrendo de problemas prostáticos benignos.

Como qualquer procedimento médico, existem alguns riscos e complicações envolvidos, mas se você se enquadra nas indicações, poderá ser submetido a um procedimento minimamente invasivo como a embolização das artérias prostáticas.

 


 

Leia Mais

Green Light Laser. Tudo sobre o tratamento do crescimento da próstata com o Laser Verde

Perdas urinárias em homens, o que você precisa saber para vencer a incontinência

Biópsia de próstata. Por que fazer, como é realizada e seu resultado

Guia completo sobre o câncer de próstata recém diagnosticado

 

Mais informações

www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000381.htm

Urology Care Foundation

Artigos Científicos

  1. Wei JT, Calhoun E, Jacobsen SJ. Urologic diseases in America project: benign prostatic hyperplasia. J Urol. 2005;173:1256-1261.

 

Laborda A, De Assis AM, Ioakeim I, Sánchez-Ballestín M, Carnevale FC, De Gregorio MA. Radiodermitis after prostatic artery embolization: case report and review of the literature. Cardiovasc Intervent Radiol. 2015;38:755-759.

 

Bilhim T, Pisco JM, Rio Tinto H. Prostatic arterial supply: anatomic and imaging findings relevant for selective arterial embolization. J Vasc Interv Radiol. 2012;23:1403-1415.

 

  1. de Assis AM, Moreira AM, de Paula Rodrigues VC, et al. Pelvic arterial anatomy relevant to prostatic artery embolisation and proposal for angiographic classification. Cardiovasc Intervent Radiol. 2015;38:855-861.

 

  1. Wang MQ, Duan F, Yuan K, Zhang GD, Yan J, Wang Y. Benign prostatic hyperplasia: cone-beam CT in conjunction with DSA for identifying prostatic arterial anatomy. Radiology. 2017;282:271-280. Epub 2016 Jul 28.

 

  1. Isaacson AJ, Fischman AM, Burke CT. Technical feasibility of prostatic artery embolization from a transradial approach. AJR Am J Roentgenol. 2016;206:442-444.

 

  1. Bagla S, Smirniotopoulos JB, Orlando JC, van Breda A, Vadlamudi V. Comparative analysis of prostate volume as a predictor of outcome in prostate artery embolization. J Vasc Interv Radiol. 2015;26:1832-1838.

 

  1. Bhatia S, Kava B, Pereira K, Kably I, Harward S, Narayanan G. Prostate artery embolization for giant prostatic hyperplasia. J Vasc Interv Radiol. 2015;26:1583-1585.

 

  1. Wang MQ, Wang Y, Yan JY, et al. Prostatic artery embolization for the treatment of symptomatic benign prostatic hyperplasia in men ≥75 years: a prospective single-center study. World J Urol. 2016;34:1275-1283.

 

  1. Cizman Z, Isaacson A, Burke C. Short- to midterm safety and efficacy of prostatic artery embolization: a systematic review. J Vasc Interv Radiol. 2016;27:1487-1493.

 

  1. Omar MI, Lam TB, Alexander CE, et al. Systematic review and meta-analysis of the clinical effectiveness of bipolar compared with monopolar transurethral resection of the prostate (TURP). BJU Int. 2014;113:24-35.

 

  1. Pisco JM, Bilhim T, Pinheiro LC, et al. Medium- and long-term outcome of prostate artery embolization for patients with benign prostatic hyperplasia: results in 630 patients. J Vasc Interv Radiol. 2016;27:1115-1122.

 

  1. Pereira K, Halpern JA, McClure TD, et al. Role of prostate artery embolization in the management of refractory haematuria of prostatic origin. BJU Int. 2016;118:359-365.

 

  1. Boczko J, Erturk E, Golijanin D, Madeb R, Patel H, Joseph JV. Impact of prostate size in robot-assisted radical prostatectomy. J Endourol. 2007;21:184-188

2 Responses so far.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *