Biópsia de próstata. Por que fazer, como é realizada e o seu resultado.

Biópsia de próstata. Por que fazer, como é realizada e o seu resultado.

Quando alterações nos exames de seguimento urológico apontam alguma suspeita da presença de câncer de próstata, a biópsia deve ser solicitada para que essa questão seja esclarecida com a maior brevidade.

Muitos pacientes temem a realização do procedimento por temerem a dor provocada ou pelo risco de complicações. Nesse artigo vamos entender como e porque uma biópsia prostática deve ser realizada e revelar o quão confortável e segura ela de fato é.

 

 

Visão Geral

 

A biópsia da próstata remove amostras do tecido prostático através da realização de uma ultrassonografia pelo reto através de um guia acoplado ao aparelho. Antes do procedimento o paciente deita-se e um acesso venoso periférico é puncionado. Por esse acesso o medicamento que fará a sedação será administrado e permitirá que o paciente durma e nada sinta durante todo o processo.

O procedimento é considerado de baixa complexidade, sem a necessidade de internação hospitalar e é realizado por um especialista nessa área, não por qualquer médico urologista ou radiologista.

Durante a biópsia são retirados ao menos 12 fragmentos que serão enviados para a análise em microscópio por um outro profissional, o médico patologista. Esse profissional determinará a presença ou ausência de malignidade (Adenocarcinoma) nas amostras que recebeu, assim como outras alterações como Prostatite, Atrofia, o PIN e o ASAP.

O procedimento em si leva 15 a 20 minutos, mas o paciente poderá permanecer no local mais 1 hora para recuperar completamente a consciência antes de partir.

 

biopsia de prostata

 

Quando a Biópsia de Próstata está indicada?

 

A indicação do procedimento passa pelo discernimento clínico de seu urologista, mas há algum pontos que podem ser ressaltados e que, em tese, indicariam a realização da biópsia.

 

Elevação do PSA

PSA entre 2,5 e 10 – 1 em cada 4 homens pode apresentar Câncer

PSA maior que 4 em homens mais velhos – 1 em cada 4 pode apresentar Câncer

 

 

Toque Prostático alterado

Homens com nódulos prostáticos endurecidos precisam de investigação com biópsia

 

 

Ressonância Nuclear da Próstata alterada

Algumas alterações na ressonância como Nódulos PI-Rads III ou IV podem precisar de investigação com biópsia

 

 

PSA em elevação após a biópsia

Quando o PSA volta a subir, mesmo após uma biópsia negativa, é preciso repeti-la

 

 

Lesões Pré-malignas

Se em uma biópsia prévia surgiram alterações consideradas pré-malignas, uma nova biópsia poderá ser indicada.

 

 

Qual o preparo necessário?

 

Os risco de complicações são baixíssimos, mas algum preparo é necessário para mantermos a segurança. O preparo é personalizado por cada centro que realiza biópsia prostática e dentre o que pode ser necessário inclui-se:

1. Interromper qualquer medicação anti-coagulante ou que cause algum distúrbio na coagulação como AAS, Advil e Ginko-Biloba

2. Fazer uso de antibiótico na véspera e 1 hora antes do procedimento

3. Estar em jejum para líquidos e sólidos

4. Realizar avaliação pré anestésica no caso seu médico ache relevante

 

 

remedio colorido

 

 

 

O que acontece depois da Biópsia da Próstata?

 

Logo após o procedimento o paciente estará sonolento e recuperará a consciência em alguns minutos, quando poderá se alimentar e deixar o local com acompanhante. Não poderá dirigir neste primeiro dia.

Durante os dois dias seguintes, exercícios físicos ou esforços devem ser evitados.

Durante alguns dias a região anal estará um pouco irritada ou inflamada, mas sem consequências maiores. Durante as evacuações haverá a saída de fezes com um pouco de sangue, o que permanecerá ocorrendo por até 2 semanas, sem qualquer consequência maior.

Sangramento na urina também poderá ocorrer e se manter por duas semanas.

A maior parte dos homens também apresentará esperma escurecido ou avermelhado, alteração que persistirá por até 2 meses.

Febre, calafrios, dificuldade para urinar ou dor não são esperados e sua presença deve motivar contato imediato com seu médico.

A inflamação na próstata permanecerá por 20 a 30 dias, antes desse período nenhum tratamento cirúrgico ou radioterápico deve ser realizado no local. É posse esse motivo que os pacientes que recebem o diagnóstico de câncer podem realizar seus exames e avaliações sem urgência exacerbada.

 

 

Resultados da Biópsia de Próstata

 

O profissional especialista na análise das amostras da biópsia possui papel crucial, pois sua experiência trará impacto direto no diagnóstico. Isso ocorre porque a análise não é completamente objetiva e em muito dependendo da experiência desse profissional. Felizmente o profissional mais experiente do Brasil e com uma das maiores experiências no mundo está à disposição para realizar essas análises e revisões em São Paulo.

Uma análise considerada bem feita deverá conter:

 

  • Descrição das amostras recebidas:

É relatado o aspecto macroscópico do tecido e sua condição geral

 

  • Descrição das Células:

É descrito como as células aparecem no microscópio, no caso do câncer de próstata, o patologista usará o termo Adenocarcinoma. No caso de lesões consideradas pré-malignas e que demandam condutas específicas, usara os termos PIN (neoplasia intra-epitelial de alto grau) e ASAP (proliferação atípica de pequenos ácinos). No caso de alterações inflamatórias usará os termos prostatite e suas graduações e Atrofia. Finalmente no caso de biópsia negativa, usará o termo hiperplasia ou tecido normal.

 

  • Graduação do Câncer:

O patologista classificará o grau de agressividade do tumor informando uma nota que variará de 6 a 10. Além disso, também descreve o número de fragmentos acometidos e a porcentagem de acometimento em cada fragmento;

 

  • Diagnóstico:

O patologista informa e descreve seu diagnóstico podendo anexar comentários

 

 

Resultados suspeitos, mas sem diagnóstico de câncer

 

Algumas vezes, quando o patologista analisa as amostras retiradas da próstata, as células não aparentam câncer, mas também não estão normais.

Esses resultados podem ser considerados suspeitos e demandam uma estratégia personalizada.

 

PIN

Neoplasia Intraepitelial de Prostática: apesar do nome neoplasia, essa alteração não é considerada maligna, ou seja não é  um câncer. Existem o PIN de alto Grau e o PIN de baixo grau. No caso de PIN de alto grau alguns estudo indicam que o Câncer de Próstata pode estar presente em uma área próxima em até 20% dos casos. Isso demanda seguimento cuidadoso e repetir a biópsia na menor suspeita de alteração do toque ou PSA.

 

ASAP

Proliferação Atípica de Pequenos Ácinos: esta alteração é formalmente considerada pré-maligna e a biópsia deve ser repetida em 2 meses. Alternativamente é possível enviar as lâminas para revisão de patologista mais experiente, que consegue definir o diagnóstico em até 50% dos casos sem a necessidade de nova biópsia.

 

 

 

 


Leia também

 

Guia completo sobre o câncer de próstata recém diagnosticado

8 mitos e fatos sobre o câncer de próstata 

Como escolher entre prostatectomia aberta e robótica 

O que é prostatite e como tratar para evitar sequelas

 

 

Mais informações

 

http://www.mayoclinic.org/tests-procedures/prostate-biopsy/home/ovc-20200181

Urology Care Foundation

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *